Follow by Email

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

MMM (MINHAS METADES MARAVILHOSAS)

Angustiada, perguntei para a minha terapeuta: Andréa, quem sou eu? Essa múmia ou aquele vulcão? Ela me respondeu, para meu desespero, com muita tranquilidade: VOCÊ É AS DUAS... Hoje, eu não quero ser mais uma, a que mais ri e sempre persegui. Agora, nesse minuto, o meu sentimento é o de aceitar a guerra entre as metades...




Como hei de ser paz, se há guerra em cada diminuta umidade que irá se transformar em orvalho na manhã de amanhã? 





Antes de tudo, estou descobrindo que sou deusa: nem Afrodite, nem Athená. Já fui ao reino de Hades como filha e como mãe. Nada de Perséfone ou Deméter. Jamais a vingativa Hera. Só agora ouso ser curiosa. Quero, depois de queimar todas as fotos tristes e emboloradas, sentir que abro a minha arca onde, por 4 décadas, deixei escondida a minha boneca, Aninha. Quero abraçá-la, porque ela já não é grande e pesada demais para a pequena e magra menina que fui. Vou abraçar a minha boneca da esperança, que deixei esquecida no fundo do baú da memória. Cansei de ser Diana, não sou superpoderosa, bem sei! E estou cansada de guerrear, a grande guerra será interna ou externa? Ou não serão duas faces de uma mesma Vera?



NÃO HÁ O QUE CONFESSAR!

Um comentário:

Sem muitos gerúndios, longas esperas e musiquinhas, o seu comentário é, de fato, importante para nós! Fique calmo, pois não vamos desligar a nossa ligação virtual, ok?