Follow by Email

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

EM DISPARADA

                                                                                                                                                                                                                                                                       EM DISPARADA
           Na infância, não tive calma, pois o tempo era uma noção desconhecida. Na juventude, queria engolir o mundo, como se o tempo futuro não existisse e o passado me envergonhasse. Na maturidade, vivi a ansiedade da preocupação com afazeres profissionais e familiares. Agora, já com mais de 55 anos, vejo o quanto essa falta me faz e como o tempo escorreu entre os meus dedos por não tê-los vivido inteira e sossegadamente. E é justamente nos anos que me esperam, que precisarei desenvolver essa difícil tarefa, porque a areia da ampulheta escorre e não há como impedir que o último grão caia afinal. Ainda será possível estabelecer outro tipo de vínculo?
                                                      
         Oração ao tempo com Djavan                                                        

                                         Mestre
                                                                            Ricardo Reis

Mestre, são plácidas 
Todas as horas 
Que nós perdemos, 
Se no perdê-las, 
Qual numa jarra, 
Nós pomos flores. 

Não há tristezas
Nem alegrias 

Na nossa vida. 
Assim saibamos, 
Sábios incautos, 
Não a viver, 

Mas decorrê-la,
Tranqüilos, plácidos, 

Lendo as crianças 
Por nossas mestras, 
E os olhos cheios 
De Natureza ... 

À beira-rio,
À beira-estrada, 

Conforme calha, 
Sempre no mesmo 
Leve descanso 
De estar vivendo. 

O tempo passa,
Não nos diz nada. 

Envelhecemos. 
Saibamos, quase 
Maliciosos, 
Sentir-nos ir. 

Não vale a pena
Fazer um gesto. 

Não se resiste 
Ao deus atroz 
Que os próprios filhos 
Devora sempre.

Colhamos flores.
Molhemos leves
As nossas mãos
Nos rios calmos,
Para aprendermos 

Calma também.

Girassóis sempre
Fitando o sol,
Da vida iremos
Tranqüilos, tendo

Nem o remorso
De ter vivido.