Follow by Email

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

O ESSENCIAL




Substituímos a árvore, as bolas 
e enfeites. 
Mudamos nós também 
na aparência, no jeito e na idade.
Permaneceram os laços.
Nada abalou os desejos 
de que você tenha um Feliz Natal 
e um Ano Novo de paz e prosperidade.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

MAIS UMA HISTÓRIA

Dentre todos os diplomas que recebi, esse foi o que gerou mais lágrimas. Não porque tenha sido o mais desejado ou o mais arduamente conseguido, mas porque foi aquele cujo curso tocou mais fundo na minha sensibilidade.
O diploma registra a conclusão do curso de Contadores de Histórias ministrado por Martha Cunha e José K. Mauro, durante o último fim de semana do mês de novembro, em Curitiba. O último curso do ano foi também o primeiro realizado na nova sede da Casa do Contador de Histórias.  

Eu e minha amiga, Zidi Brandão, que já tem experiência como contadora de história, nos juntamos a outras 20 mulheres e 2 únicos homens para desenvolver em nós a arte de contar. 

O que mais me surpreendeu foi descobrir que contar histórias pode ser muito mais do que uma forma de nos aproximarmos das pessoas, de entretê-las e de manter vivas as histórias que o homem  construiu ao longo dos tempos. Contar histórias pode ser uma forma de comunicação inter e intrapessoal. Um modo de buscarmos um conhecimento mais próximo com o nosso eu interior e colaborarmos com a cura das dores humanas. 



Tudo isso foi vivenciado através dos ensinamentos acumulados ao longo da prática de Martha como psicóloga e de Mauro, cuja intuição e simplicidade criavam um clima muito harmonioso ao encontro dos participantes. Junto com vários voluntários, eles usam as histórias como instrumentos de cura para crianças abandonadas ou abusadas sexualmente, portadores de deficiências, idosos, dependentes químicos e outros grupos. 




No encerramento, o voluntário e nosso padrinho, Roque, nos presenteou com duas lindas histórias. E dentre as sincronicidades que marcaram a minha participação no curso, posso citar o fato de uma das histórias ser apresentada em forma de poema e da outra ter como tema o baobá,  árvore cuja muda eu trouxe da minha viagem anterior.