Follow by Email

domingo, 18 de julho de 2010

CORREÇÕES NECESSÁRIAS


Ontem fui à Av. Joana Angélica comprar tinta para a impressora e aproveitei para dar uma olhada na espremida prateleira com o título POESIA da livraria LDM. Vasculhando entre os livros dos poetas, reconheci Mônica Menezes. Eu lhe lembrei que ela havia me dado uma cópia do poema "Carta de Amor" no Encontro Literário da UEFS. Disse-lhe que não conseguia compreendê-lo por me faltar conhecimento (nunca ouvira falar em Dora Diamant). Contei também que tinha tentado localizar o seu endereço eletrônico (não por Ângela Vilma) por Nívea Vasconcellos.

Poucos minutos depois, bem contente com a lembrança, me dirigi a ela, que já estava acompanhada de Mayrant Gallo, e lhe perguntei: "Mônica, é seu o poema da Mangueira?" Ele respondeu: "A famosa mangueira! Você sabia que Mônica vai lançar um livro?" "Ela me disse", respondi, entusiasmada em continuar a conversa com a interlocutora que, timidamente, desviara o rosto, enquanto eu falava os seus versos "não tive barbies, não tive... a mangueira me deu tudo. E eu nunca soube ser muito infeliz". Relatei que nesse 8 de março, selecionei poemas de mulheres baianas para divulgar, entre os quais estavam o seu "A HERANÇA" e "A FOTOGRAFIA" que Ângela Vilma havia dedicado à sua mãe "a blusa era vermelha, ela sabia..". A fotografia era em P&B, mas a memória de sua dona era colorida.

Esqueci de dizer a Mayrant que era engraçado ver Mônica assim encabulada, porque, na verdade, era eu quem estava nervosa como uma colegial de 15 anos, ao dar uma de tiete aos 51. Não lhe falei também que "O NARRADOR" é o seu(meu) poema favorito. Isso porque, nos ensaios que fazemos da Escola de Poesia, os poemas passam a ser nossos. O autor, como índio, perde a sua posse. E nós, os navegantes colonizadores, sem a sua autorização, os divulgamos em outras paragens, fazemos escambo, barganhas e até chantagem sentimental pelo direito de falar os poemas. Seu dono é quem acha que o descobriu, o primeiro a ver o brilho do diamante em meio ao cascalho do vasto e desconhecido mundo dos livros.

Assim, faço as devidas correções, colocando os "meus" poemas preferidos dos poetas mencionados acima, além de convidar todos para o lançamento dos livros de Ângela Vilma e Mônica Menezes às 19h do dia 03 de agosto na Tom do Saber.

-.-.-
A FOTOGRAFIA*
Para Terezinha, minha mãe
Sentada na cadeira
As pernas cruzadas
Mãos pousadas na saia.
A blusa preta escondendo
A verdade da fotografia:
Era vermelha, ela sabia.
Ela sabia de tanta coisa!
(e nem sequer imaginava)
Seu sorriso acompanhava
O ritual da fotografia.
.-.
HERANÇA *
Para Maricelma
Há uma mangueira em minha vida
Não tive barbies, bicicletas
ou festas de aniversário
Só uma velha e frondosa mangueira.
A mangueira me deu tudo.
E eu nunca soube ser muito infeliz.
.-.
O NARRADOR*
As histórias que eu contava quando criança
Embora parecessem de outrem
Eram minhas: eu as inventava.
Inventava-as para mim
Para os que me rodeavam
Para os que me tinham em conta de louco.
De todas não me lembro uma
Embora toda me habitem.
Em todas estive, em todas morri.
.-.
* (Poemas extraídos do livro "CONCERTO LÍRICO A QUINZE VOZES - Uma Coletânea de Novos Poetas da Bahia, Salvador, Aboio Livre Edições, 2004)
-.-.-
ESCONDEDOURO DO AMOR -I**
O amor não está na estrela
que, ao cair, carrega o pedido sussurrado,
está no olhar que a percebe e espera.
O amor não está nas cartas
lançadas sobre mesas postas,
está na tensão de quem as ouve e deseja.
Búzios, números e datas
não contêm o amor,
só a esperança de encontrá-lo.
Mas, ninguém encontra o amor,
ele é (misteriosamente) despertado...
num momento de distração e abandono.
.-.
** (Poema extraído do livro ESCONDEDOUROS DO AMOR & OUTROS VERSOS SOB A ESPERA de Nívea Maria Vasconcellos, Feira de Santana, CDL, 2008)

3 comentários:

  1. Belo texto, belo encontro! Obrigada pela gentil divulgação! Abraços, Ângela Vilma.

    ResponderExcluir
  2. Vera, que bonito! Obrigada. Falarei com Mayrant. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Veroca,

    Que riqueza de momento! Lindo quando a vida é sentida imensamente. E você sabe fazer isso.

    Beijocas,
    Sarinha

    ResponderExcluir

Sem muitos gerúndios, longas esperas e musiquinhas, o seu comentário é, de fato, importante para nós! Fique calmo, pois não vamos desligar a nossa ligação virtual, ok?