Follow by Email

terça-feira, 11 de março de 2014

ESCREVER POESIA X FALAR POESIA


Em, 2008, durante evento sobre Direitos Humanos, realizado na Faculdade 2 de Julho, no bairro do Garcia, houve um workshop com Elisa Lucinda, do qual várias pessoas participaram e que resultou em um recital  no seu auditório com capacidade para 500 pessoas.  Antes da apresentação de Elisa Lucinda fez sua apresentação pessoal e nos convidou a apresentarmos os poemas trabalhados durante o workshop. Antes da apresentação, dei como lembrança aos participantes da oficina de poesia falada, um cartão com a primeira versão de um poema que escrevi cujo título é DE HUMANOS. Tal poema é uma homenagem a Adélia Prado, autora de outro poema de título DIREITOS HUMANOS. Trata-se de um poema bem curto e expressivo sobre a sua escrita. Há grandes diferenças entre os atos de escrever e falar poesia. Sempre considerei que há formas e mais formas de falar poemas e que essa atividade se diferencia sobremaneira daquela de escrevê-los. São muitos os casos de grandes poetas que não falam seus versos e de pessoas que os valorizam incrivelmente com seus talentos expressivos. Nem todo ator, no entanto, como alguns possam equivocadamente supor, possui esses talentos. Há vídeos de atrizes e atores em que é possível comprovar isso. Alguns valorizam a palavra escrita por seus autores, enquanto outros retiram toda a riqueza delas por falta de compreensão sobre o significado dos versos que saem de suas bocas - pontuações equivocadas, desconhecimento de palavras existentes no poema,  incapacidade de transmissão das mensagens implícitas e explícitas neles, excesso no tom de voz e nos gestos, entonações não exigidas ou deslocadas, falta de fidedignidade às palavras originais de seus autores etc. Foi tentando me conscientizar do objetivo que me movia a falar poesia que escrevi aquele diálogo fictício com a maravilhosa mineira de Divinópolis. Abaixo transcrevo ambos os poemas:


                       DIREITOS HUMANOS
      Adélia Prado

                           Sei que Deus mora em mim
como sua melhor casa.
Sou sua paisagem,
sua retorta alquímica
e para sua alegria
seus dois olhos.
Mas esta letra é minha.
((Oráculos de Maio, p.73.)
Fonte: http://trycar.blogspot.com.br/2010/04/direitos-humanos-adelia-prado

  


DE HUMANOS
                   Vera Passos



Na verdade, Adélia, a letra pode ser tua,
mas os sentimentos também moram em mim.
Não recebi teu dom de traduzi-los em verso,
bem sei. Apenas peço a Deus a alquimia
de fazer da minha voz, olhos e mãos,
dessa efêmera casa enfim,
instrumentos de uma precisa fotografia,
da mais preciosa revelação
aos que comungam conosco essa humanidade.

P.S.: Alguns amigos dizem que têm tentado fazer comentários sobre os textos e não conseguem. Já fiz reclamação aos moderadores do blogger neste sentido. Por favor, tentem enviar ao menos um 'oi" para que eu possa verificar se isso continua acontecendo. Grata. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sem muitos gerúndios, longas esperas e musiquinhas, o seu comentário é, de fato, importante para nós! Fique calmo, pois não vamos desligar a nossa ligação virtual, ok?