Follow by Email

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

FLIPORTO



Pela primeira vez, participei da Feira Literária de Olinda (FLIPORTO). Ela tem esse nome porque anteriormente acontecia em Porto de Galinhas. Foram 4 dias super ricos, com mil atividades. A vontade que dava era poder me dividir em 4 ou 5 para não perder nada do que lá acontecia (saí em cortejo poético com os grupos locais, trouxe uma muda de baobá da EcoFliporto, onde fiz uma oficina de caixa de papel em origami, tomei massagem e trouxe mensagem em braille da tenta do Instituto dos Cegos, assisti palestra sobre a contação de histórias no espaço da UBE (União Brasileira dos Escritores), assisti ao lançamento da coletânea de poemas escolhidos de José Inácio Vieira de Melo etc. Infelizmente perdi o show de Jorge Ben Jor e a palestra de abertura com Deepak Chopra.


Os painéis, como o acima, em que escritores como Fernando Morais, Nelson Motta, Frei Betto e Fred Barbosa  foram entrevistados por mediadores (todos homens),  eram apresentados no espaço principal e transmitidos por telas em uma tenda para 400 pessoas. Apesar do público se espalhar entre vários espaços,  achei o evento um pouco esvaziado. No entanto, a criatividade nordestina era muito marcante em todas as atividades.

Maria Paula, a comediante global, lançou o seu primeiro livro de título "Liberdade Crônica". Nessa foto, ela discute com sua editora, Bia, e outra escritora, o que chamam de "Mulher Alfa". 


Mas o ponto alto do evento foi, sem a menor sombra de dúvidas, a entrevista feita pelo jornalista Sírio Bocanera à escritora libanesa Joumana Hadad.  "Eu Matei Sherazade" é o título do interessante livro escrito por Joumana no qual ela discute a condição da mulher no mundo árabe. O mais interessante é que ela traz reflexões importantes, não apenas para a mulher oriental, mas também para nós mulheres do Ocidente. Rompendo todos os estereótipos que possuímos sobre as mulheres do oriente, a escritora apareceu em um vestido curto branco, com saltos muito altos, cabelos soltos e um batom vermelho nos lábios. Falante de vários idiomas, ela presenteou a platéia lendo um trecho maravilhoso do seu livro em Português. Eu chorei!

Um comentário:

Sem muitos gerúndios, longas esperas e musiquinhas, o seu comentário é, de fato, importante para nós! Fique calmo, pois não vamos desligar a nossa ligação virtual, ok?